RN foi o único estado do Brasil que não registrou aumento no consumo de energia em setembro

A onda de calor que atravessou o Brasil em setembro aumentou o consumo de energia elétrica em quase todos os estados brasileiros, menos no Rio Grande do Norte, onde a demanda foi 2,1% menor na comparação com o mesmo período de 2022, impactada por um volume maior de chuvas na região.

No restante do país, os aumentos foram expressivos e as maiores taxas foram registradas no Maranhão (21,8%), Rio de Janeiro (18,6%) e Acre (18,3%).

Os dados preliminares são do Boletim InfoMercado Quinzenal da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), organização que acompanha em tempo real a demanda e oferta de energia em todo o país.

Com a onda de calor, o Brasil encerrou o último mês com carga de 68.306 megawatts médios, volume 6,2% maior na comparação com o mesmo período do ano passado.

Do total de energia utilizada, 43.091 MW médios foram direcionados para o mercado regulado, onde estão os consumidores residenciais e as pequenas e médias empresas. Nesse segmento houve um avanço de 8,2% no comparativo anual, puxado por um maior uso do ar-condicionado, decorrente de temperaturas acima da média registrada em setembro do ano passado em boa parte do país.

O restante, 25.216 MW médios, foi consumido por empresas que contratam o seu fornecimento no mercado livre de energia, a exemplo da indústria. Nesse ambiente, a demanda está mais atrelada ao desempenho econômico dos ramos de atividades monitorados pela CCEE, mas o uso mais intenso de equipamentos de refrigeração também teve impacto, especialmente nos segmentos ligados ao comércio e serviços.

Consumo por ramo de atividade econômica

Na avaliação dos 15 ramos de atividade econômica, em setembro e na comparação com o mesmo período do ano passado, as maiores taxas foram registradas pela CCEE no Comércio (15,1%) e Serviços (11,6%). O avanço é reflexo tanto de um ímpeto inflacionário menor e da alta movimentação em prédios comerciais, quanto a influência da onda de calor, que exigiu maior necessidade do ar-condicionado em supermercados e centros de comércio/serviços.



Deixe seu comentário

%%%%%%%%%%%%%%%%%%